Expressão: nomes da Cultura Sul-matogrossense – Artes Plásticas

As artes plásticas são consideradas por Menagazzo (1992. p, 235)

A capacidade do homem de narrar à própria historia evidencia-se as artes, não enquanto reprodução pura e simples do seu cotidiano, mas como olhar que procura evidenciar relações individuais e coletivas. (MENEGAZZO, 1992, p. 235)

Podendo ser melhor compreendida por Braga (on-line 2008): “A capacidade de moldar, modificar, reestruturar, re-significar os mais diversos materiais na tentativa de conceber e divulgar nossos sentimentos e, principalmente, nossas idéias”.

Considerando-se a compreensão de Braga, e levando em conta os dados coletados na pesquisa, os nomes que contribuem, ou contribuíram para que as artes plásticas de Mato Grosso do Sul ganhassem destaque, dentro e fora do estado, foram: Douglas Colombelli, Humberto Espínola, Jorapimo, Lídia Baís e Lucia Mont’Serrat.

Ao todo foram respondidas 220 enquêtes, e 44 nomes de artistas plásticos apareceram na pesquisa: Adilson da Costa, Adilson Schiffer, Ana Carla Zahan, Ana Ruas, Anelise Godoy, Áurea Katsuren, Beto Lima, Carla de Cápua, Cleir, Dagô, Daltro, Darwing Longo, Desirée Melo, Evandro Prado, Galvão Pretto, Genésio, Henrique Spengler, Hilton Silva, Irani Bucker, Isaac, Joanir Figueiredo, Julia Maria Campos, Kátia Ângelo, Lazara Lessonier, Lelo, Mara Dalzan, Masahiko Fujita, Mauro Yanaze, Mayra Espíndola, Miska, Noyde Pael, Ovini Rosmarinus, Patrícia Rodrigues, Priscila Pessoa, Richard Perassi, Roberto Amin, Rubens Dácio, Sandro e Wega Nery.

Estes números revelam ainda, a quantidade qualitativa dos artistas plásticos que agregam ou se agregaram ao Mato Groso do Sul e usam o estado com celeiro de suas obras.

Douglas Colombelli

Uma nova geração de artistas plásticos sul-mato-grossenses faz experimentações artísticas com as linguagens tradicionais e não-tradicionais, como o caso do artista, também reconhecido pelos novos conceitos, Evandro Prado.

Dentro desta ótica pode-se acrescentar o artista plástico Douglas Colombelli, vindo de uma família tradicional ceramista sul-mato-grossense, que desde os nove anos, como artesão, realiza suas produções no estado.

Há apenas dez anos no mercado artístico, Colombelli já se inseriu em Mato Grosso do Sul, como grande promessa às artes plásticas. Douglas é Bacharel em Artes visuais, professor universitário, ator e produtor do material cênico do Grupo Teatral de Risco, trabalho que rendeu um prêmio pela fundação de arte nacional (Funarte).

Dentre as exposições do artista, destacam-se as obras do “Eu Fabulário”, trabalho exposto na capital de Mato Grosso do Sul, e em Bonito (MS), onde expôs junto com outros jovens artistas de renome nacional: Bruno Vieira (Pernambuco), James Kudo (São Paulo), Gustavo Duarte (Rio de Janeiro) e Tiago Giora (Porto Alegre).

Menegazzo (On-line, Apud COLOMBELLI. 2008), considera que as obras de Douglas Colombelli recupera a figura da escultura moderna e, “O desejo de dizer isto não é um corpo “isto é uma escultura” como fizeram seus precursores Rodin, Degas e Moore”

Humberto Espindola

Natural de Campo Grande-MS, nascido em 1943. Espíndola já participou, com suas obras, de inúmeras exposições em vários estados brasileiros e no exterior. Premiado na XI Bienal de 1971 recebeu vários outros prêmios nacionais. Ao lado de Aline Figueiredo ativou as Artes Plásticas em Campo Grande através da Associação Mato-grossense de Artes que fundaram em 1967 (no estado uni).

Minha primeira experiência visual é uma lembrança inesquecível. Minha avó tinha no fundo do quintal um galpão com uma enorme parede ensolarada, mas de um reboco meio frouxo. Eu pegava a mangueira de água e fazia desenhos nessa parede que o sol logo enxugava. Desenhava e, quando chegava o final do desenho, ele começava a desaparecer. Esperava um pouco e fazia outro desenho. Eram como páginas de um caderno. E a família assistia. (ESPÍNDOLA. 1992, p.244)

Ao longo de sua carreira já fez mais de 60 exposições coletivas e mais de 20 individuais, em diversas cidades do Brasil: Belo Horizonte (MG), Blumenau (SC), Brasília (DF), Campinas (SP), Cuiabá (MS), Curitiba (PR), Goiânia (GO), Juiz de Fora (MG), Londrina (PR) Montes Claros (MG), Porto Alegre (RS), Recife (PE), Rio de Janeiro (RJ), Salvador (BA), Santo André (SP), Santos (SP), São Paulo (SP).

Nos mais importantes espaços de artes, Humberto expôs suas obras: Espaços Villa-Lobos e Higienópolis do MASP, Museu de Arte de Cochabamba e Museu de Arte de La Paz, (Bolivia), Kingsman Foundation, Quito (Equador), Museu de Arte Contemporânea da Universidade do Chile, (Santiago), Salão em Preto e Branco, Museu Nacional de Belas Artes e Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro, Casa Rômulo Gallegos, Caracas (Venezuela), II Bienal Internacional de Pintura, Cuenca (Equador), Bienal de La Habana (Cuba), V Exposição de Belas Artes Brasil-Japão, com exposições no eixo Rio-São Paulo e em Kioto, Nekai e Tóquio (Japão), I Bienal Ibero-americana de Pintura (México) e III Bienal de Arte Col tejer, Medellín (Colômbia)

Rosa (1992, P.241) ressalta que “A apreensão da obra de um artista na sua temporalidade ou processo histórico, favorece a proximidade do leitor na busca do significado estético”.

Ainda segundo Rosa, “Humberto Espíndola estimula com sua obra essa proximidade”, quando reorganiza e inventa novas ambientações para os elementos assimilados de um determinado padrão cultural.

Jorapimo

José Ramão Pinto de Moraes, nascido em Corumbá no ano de 1937, mais conhecido como Jorapimo, começou a pintar nos idos de 1950. Inspirado em obras de grandes renomes da arte mundial como Gauguin, Cèzanne, Van Gogh, Lasar Segall, Anita Malfatti e Cândido Portinari, Jorapimo tem em suas obras, as formas do expressionismo que, dentre outras opções, estiliza de forma deteriorizadora a figura ressaltando o sentimento. Em vez de pincel: espátula para pintar suas obras, que já foram apreciadas em países como Japão, Alemanha, estados Unidos, Paraguai, Bolívia e Uruguai.

Usando o Pantanal e Corumbá como fonte de inspiração, Jorapimo retrata em suas obras, a natureza e o homem, casarios do porto, embarcações e pescadores.

Em matéria publicada no site da FCMS: Maria da Glória Sá Rosa, membro da ABCA, assim se manifesta sobre o artista: “A simplicidade dos traços é uma de suas características. O contraste das cores outro dos aspectos marcantes. Sua obra pelo conjunto de informações e experiências estéticas coloca-nos diante dos mistérios da natureza” (Apud PEREIRA, On-line. 2008).

Lídia Baís

Em uma coleção de postais feita pelo Iphan, em parceria com o Governo do estado de Mato Grosso do Sul, foi criada uma caixa com uma coleção de 12 postais, que têm imagens que foram perpetuadas pela artista plástica Lídia Baís, uma artista que segundo Arguena (2008):

[...] Tinha consciência do seu valor artístico. A Campo Grande de 1930 não oferecia suporte para abrigar sua mente tão inquieta. Suas obras de caráter modernista estavam à frente da realidade local. A pioneira das artes-plásticas encontra conforto na religião, oculta-se sob o pseudônimo de Maria Tereza Trindade e escreve sua biografia, como forma de preservar seu trabalho. Concretiza o seu desejo: deixar na história a sua família por meio de sua arte. (ARGUENA, 2008, sem p.)

Uma das figuras femininas mais importantes para as artes plásticas de Mato Grosso do Sul. Nascida em 1901, dentro de uma tradicional família italiana já num país que não fosse o de origem familiar, despertava em seu pai, Bernardo, a sua inquietação artística ainda criança.

Buscando livrar-se de seu isolamento cultural, pois Campo Grande ainda era um pequeno vilarejo, Lídia foi ao Rio de Janeiro em busca de estudos, fase marcada pelo academicismo que ia ao encontro com as novidades da Semana de Arte Moderna em São Paulo.

Torres, Araújo e Arguena (2008) dizem que Lídia ainda sentia-se “Incompreendida e sob pressão da família retorna a Campo Grande, onde restavam às moças os afazeres domésticos e o casamento. Suas idéias e seus trabalhos iam além da compreensão e da sensibilidade do povoado”

Com a morte de Bernardo Franco Baís, pai de Lídia, sua arte passou a ter inspiração em questões abstratas: Deus, astros e questões existenciais tornavam-se, nas telas da artista, temas de sua busca constante, de um estilo próprio e pelo sentido da vida, que fazem de Lídia uma artista insaciável.

Lídia Baís morreu em 19 de outubro de 1985, sozinha, na companhia de animais e de suas obras arte, todas encaixotadas. Sua sobrinha Nely Martins promovia exposições das obras da tia, ainda viva, e com a ajuda de familiares, doou o acervo artístico da tia à FCMS.

Lucia Monte Serrat.

Formada em 1973 pela Escola de Belas Artes de Curitiba, Lúcia Mont´Serrat acabou desenvolvendo mais tarde seus projetos artísticos. Professora Aposentada da UFMS lecionou Técnicas artesanais, Arte e educação e Oficina de desenho. Agora, dedica-se quase que exclusivamente à sua arte.

Suas habilidades com a arte começaram a se desenvolver ainda criança, numa família de artistas, o pai toca instrumentos e a mãe lhe ensinou o tricô, o crochê e um pouco de artesanato. Seu avô costumava pintar desenhos com animais (galinhas) e também, os próprios animais.

Lúcia “pegou” um pouco deste “lado louco” do avô e no convívio familiar chegou hoje, no auge de carreira. Seus trabalhos de pintura percorreram diversos caminhos, desde figuras femininas a pinturas carregadas de densidades e cores vibrantes.

Chegou em Campo Grande à busca de oportunidade e emprego, pois passava por um momento difícil. Ainda em Curitiba conheceu o então reitor da Federal na época. Que a avisou de um concurso para professores na área de artes, e, em 1982 assumiu o concurso, pelo qual hoje é aposentada.

Mont´Serrat produz pintura em tecido de seda, customização de camisetas, e as pinturas em telas. Arte pela qual é hoje reconhecida como renome sul-mato-grossense. Sua arte traz muito do universo feminino. As flores pintadas por Lúcia quebra a barreira do preconceito, o que para muitos é algo comum na pintura, ou como ela mesmo relata “quem faz flores é porque não sabe fazer outra coisa”, para ela é um mais que um simples hobbie, é uma arte representativa em sua vida e na cultura.

Na UFMS, mesmo depois de aposentar-se, Lúcia coordena o Projeto “Arte na Escola”, projeto de educação continuada que fornece DVDs, livros de artes, CD com histórias dos artistas e realiza grupos de estudos com professores das escolas públicas.

Esta entrada foi publicada em Textículos e marcada com a tag , , , , , , , , . Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>